8

RêVivendo Havana

Renata Campos | 30.6.12 |



Havana é a capital e a maior cidade de Cuba, possui cerca de 2 milhões e meio de habitantes e encontra-se na província Ciudad de La Habana. É uma cidade cheia de contrastes. Linda e decadente, possui imponentes prédios antigos e históricos e outros mais modernos (se bem que nada chega a ser muito moderno em Havana). Com uma cultura ímpar, belas paisagens e um povo super hospitaleiro e alegre, Havana é um destino turístico pra lá de especial.

Como eu havia comentado nesse post Como ir à Cuba: Pacote Turístico x Viagem Independente?, fui pra Cuba sem pesquisar praticamente nada sobre o país!! Não fiz meu tradicional roteirinho do que fazer, onde ir, o que vale a pena, o que não vale a pena. Apesar de nunca seguir meus roteirinhos à risca, pois o legal é ir descobrindo a cidade a medida que a conhece, eu me senti totalmente perdida e sem saber aonde ir no 1º dia em Havana. Sem saber o que fazer e sem a possibilidade de pesquisar nada na internet (coisa raríssim em Cuba) eu e minha amiga, a Maira que também tem um blog, o Galera do Mar, saímos andando pela cidade sem rumo. Descobrimos muita coisa por conta própria e conseguimos muitas dicas diretamente com os cubanos. Apesar do pouco tempo que tivemos (3 dias e meio) deu pra conhecer bastante coisa. Compartilho então com vocês, o que fizemos em nossa estada na capital cubana.




Rêvivendo os atrativos

Praça da Revolução

É um lugar de muita importância histórica e política para Cuba, palco de grandes manifestações populares e dos discursos de Fidel. 
No centro da praça há uma imensa torre, de 109 metros de altura, representando uma estrela de cinco pontas. Pode-se subir ao ponto mais alto da torre por um elevador, de onde é possível avistar grande parte da cidade. Logo em frente à torre há uma estátua de José Martí, herói nacional cubano. 
Outro destaque da praça é o prédio do Ministério do Interior que tem o rosto de Che Guevara, com sua célebre frase Hasta La Victoria Siempre, estampada. No prédio ao lado, a escultura é do rosto de Camilo Cienfuegos juntamente com a frase Vas Bien Fidel.


Praça da Revolução e os prédios com os rostos de Che e Cifuengos

Capitólio Nacional
O Capitólio Nacional de Havana foi inspirado no impetuoso Capitólio de Washington, dos EUA e construído na época em que os dois países não eram “brigados”.  Antiga sede do governo cubano é hoje sede da Academia Cubana de Ciências. Infelizmente quando visitamos, o Capitólio estava fechado para reforma.

Grande Teatro de Havana
Considerado um dos teatros mais majestosos do mundo o Grande Teatro de Havana impressiona pela beleza da sua arquitetura. Está localizado ao lado do Capitólio Nacional.



Grande Teatro de Havana
Teatro com o Capitólio ao fundo
Museu do Chocolate
O nome dá uma ideia errada do lugar, que não é um museu e sim uma loja/lanchonete. Você pode comprar chocolates pra levar de lembrança ou comer em outro lugar ou degustá-los lá mesmo se conseguir mesa livre. Vive lotado!

Museu do Rum
O Museu do Rum conserva a história da bebida mais tradicional de Cuba, o rum. O museu descreve todo o processo de produção da bebida, desde o caminho da cana-de-açúcar, até o seu engarrafamento. Também é possível fazer uma degustação da bebida

Museu da Revolução
Situado na luxuosa mansão que foi residência oficial dos presidentes da República no início do século, o Museu da revolução homenageia a memória dos cubanos revolucionários, através de documentos, fotos, maquetes, objetos e projeção de filmes.
Ao lado do museu se encontra o Memorial de Granma, um enorme suporte de vidro onde está o barco usado por Fidel Castro e outros revolucionários para voltarem à Cuba, após o exílio no México. 

Museu do chocolate

Museu da Revolução

Callejón de Hammel
É uma rua toda decorada, cheia de esculturas do artista González. Fomos levadas lá por um casal de cubanos que encontramos nas nossas andanças por Havana. Voltamos no domingo, quando acontece um espetáculo de dança tipicamente cubana. O lugar é um verdadeiro espetáculo de cores, artes e música. Vale a pena conhecer!


A família cubana que nos levou ao Callejón de Hammel
Apresentação de dança que acontece todos os domingos, ao meio dia, no Callejón Hammel
Em Vedado, parte mais nobre da cidade, estão localizados dois grandes e históricos hotéis cubanos: o Hotel Nacional de Cuba: um belíssimo hotel 5 estrelas de 1933. Seus jardins são abertos ao público. Não deixe de visitá-lo e desfrutar de uma boa música e uns “bons drink” com direito ainda a uma bela vista do Malecón! E o Hotel Habana Libre: edifício emblemático, pois funcionou como quartel general da revolução, em 1959. Foi onde ficamos hospedadas. Para saber mais sobre o hotel, leia Onde e como se hospedar em Havana.




Malecón é um paredão de cerca de 8 km que percorre os principais bairros de Havana, como Miramar, Vedado e Habana Vieja. Ótimo local para apreciar o sol se pondo no mar. Lindo! À noite, é ponto de encontro dos cubanos que costumam se reunir em vários pontos do Malecón, para passear, namorar, encontrar os amigos. Programa gostoso e barato!

O Melecón
Pôr-do-sol visto do Malecón

Almacenes San Jose
Avenida del Puerto, Havana
Um galpão com vários stands com diferentes artesanatos cubanos. Ótimo lugar para comprar regalos, tem desde imãs de geladeira até quadros e esculturas típicas.

Habana Vieja
Particularmente, essa foi a região que mais gostei em Havana. Lugar super charmoso, a parte antiga da cidade é repleta de cultura e história. Declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, Habana Vieja possui casarões, palácios, museus e igrejas com arquitetura em estilo barroco, neoclássico, art noveau, entre outros, representando os vários períodos e influências culturais da cidade. A melhor forma de conhecer a região é andando sem rumo por suas ruas estreitas, assim você encontrará praças, galerias de arte, bares e restaurantes.

As quatro principais praças de Habana Vieja: Plaza de Armas, Plaza Vieja, Plaza de San Francisco de Assis e Plaza de la Catedral, são próximas uma da outra e devem ser exploradas ao máximo!

Mapa de localização das principais praças de Habana Vieja:
A- Plaza de Armas, B - Plaza da Catedral, C - Plaza Vieja, D- Plza San Francisco

       

Plaza da Catedral
Plaza San Francisco
Plaza Vieja vista do alto do prédio da Camera Oscura
Feira de livros e antiguidades da Praça de Armas





Andando por Habana Vieja você pode ser surpreendido a todo momento.

Câmera Oscura
A camera oscura está localizada no alto do edifício Gomez Vila, localizado numa das esquinas da Plaza VIeja. Ao chegar lá, suba o elevador até o último andar, onde você deverá pagar 2 CUCs (R$4,00) pra visitar a cámara oscura. As sessões acontecem a cada 15 minutos. Enquanto espera, você pode aproveitar para andar pelo terraço que, do alto dos seus 35 metros altura, tem uma vista bem legal de Habana Vieja. Já a Camera oscura é um local onde você pode ver toda a cidade de outro ângulo.  Ela está instalada em uma sala toda pintada de preto que tem, em seu centro, uma tela côncava de 1,8m de diâmetro. No alto desse objeto há um periscópio e um espelho que capturam imagens em 360º de grande parte da cidade. Através do processo de refração da luz, tais imagens são projetas, ao vivo, na tela branca situada dentro da câmera oscura, enquanto um guia explica o funcionamento daquele artefato, assim como um pouco da historia da cidade a medida que as imagens vão surgindo na tela. Tem um guia lá (esqueci o nome dele.. tsc tsc) super gente boa, que fala português e é apaixonado pelo Brasil. Ficamos conversando um tempão com ele, enquanto outro grupo estava na câmera oscura com outro guia. Ele não deu boas dicas de Havana e nós o ajudamos a aprimorar o português.

Vista de cima do prédio
Vídeo mostrando como funciona a Camera Oscura

Fortaleza de San Carlos de La Cabaña
Carretera de La Cabaña, Parque Histórico Militar Morro-Cabaña, Havana do Leste
Entrada: 6 CUCs (R$12,00) de 10hs às 18hs
Além da visita às belíssimas construções, ainda se tem uma bela vista da cidade! Para chegar lá, você pode pegar um táxi ou então o ônibus T3 da Transtur, o mesmo que vai às praias do leste.
A Fortaleza está localizada do outro lado da baía de Havana. É a maior fortaleza das Américas e a segunda maior do mundo E também sede do Museo Fortificaciones y Armas e palco de vários eventos como a Feira Internacional do Livro e a Bienal, que inclusive estava acontecendo quando visitamos o La Cabaña.  
Todas as noites, às 21h, acontece o Canhonaço, evento no qual um pelotão uniformizado solta tiros de canhão, remetendo à época em que os espanhóis avisavam, com o tiro, que os portões da cidade estavam fechando. 




 

Vista de Havana








Obra meio bizarra da Bienal
O Museu do Che, encontra-se próximo à Fortaleza, dá pra ir caminhando! A entrada também custa 6 CUCs (R$12,00), mas não funciona aos domingos, justamente o dia que estivemos lá! Pena!


Praias do Leste
Conjunto de belas praias, as chamadas Playas del Leste estão a poucos minutos de Havana. Com águas cristalinas de tons azulados e areias claras, as praias do leste são um dos principais pontos de lazer dos cubanos que, ali, se misturam aos turistas. A praia, apesar de bonita, é meio suja e bem lotada de gente. 
Para chegar lá é só pegar o Habana Bus Tour da Transtur que custa 5 CUCs (R$10,00) e sai todos os dias num ponto em frente ao Hotel Inglaterra, próximo ao Capitólio Nacional. Cuidado para não confundi-lo com o outro ônibus, a linha T1 também da Transtur, que é de 2 andares percorre os principais pontos turísticos de Havana, como eu expliquei melhor nesse post. O ônibus que vai às praias é o da linha T3 e só tem um andar, pois passa por dentro do túnel que passa pela baía de Havana. O bilhete é único e pode ser usado de 9 da manhã às 9hs da noite. Portanto, guarde-o para usar também na volta. Nas praias, as principais paradas são as dos hotéis Tropicoco e Atlantis.




Mesmo sob um sol de quase 40ºC, a Polícia Revolucionária Cubana está de prontidão até no meio da praia. 

RêVivendo restaurantes, bares e afins

Paladar LAS 3 B
Calle 21 n.164, e/ L y K no bairro de Vedado, próximo ao Hotel Habana Libre.
Os Paladares são restaurantes que, geralmente, funcionam na casa de cubanos que tem permissão (e pagam impostos ao Governo) para servirem comida. Fomos levadas a esse restaurante por um cubano que nos abordou, quando saíamos do hotel, perguntando se estávamos procurando algum lugar pra jantar. Resolvemos aceitar a indicação. A comida é simples e gostosa, mas não é um lugar econômico, como nosso “amigo” cubano nos prometeu. Um prato como este da foto, custa 18 CUCs (R$36,00) nada barato, né? Mas essa é a média de um prato de comida, em muitos restaurantes da cidade. Mas há opções bem mais baratas. De toda forma, eu acho que vale a pena conhecer, pelo menos um, “Paladar”. Também acredito que devem existem preços mais camaradas que esse, mas em todos os paladares que visitamos o preço era parecido, pelo menos em Vedado era. E olha que durante toda a viagem entramos e saímos em vários, procurando sempre preços melhores.









Bar San Carlos do Hotel Del Tejadillo
Calle Tejadillo 12, Habana Vieja
Os espetos das fotos abaixo com arroz, plátanos (tipo uma banana frita) e salada de acompanhamento, mais entrada, uma limonada, um mojito, uma sobremesa e um cafezinho, tudo isso saiu por 12 e 15 CUCs (R$24,00 e R$30,00) o prato com frango e cerdo, e o com peixe, lagosta e camarão, respectivamente.  Agora sim, a gente já pode falar em algo econômico, né?



 




El Gato TuertoCalle 17 e 18, Vedado
5,00 CUCs (R$ 10,00) de entrada.
Um restaurante com música ao vivo, que depois de meia noite se transforma numa balda. O cardápio do bar tem várias opções de tira-gostos e de bebidas também. É um lugar legal, mas nada demais!

Café Lamparilla
Calle Lamparilla, 54. Entre a Cale Marcaderes e Santo Ignacio, Habana Vieja.
Lugar gostoso com mesinhas na rua, na verdade num beco estreito, mas super charmosinho. Há também um ambiente interno com ar condicionado e música ambiente. A comida é barata e gostosinha, nada demais, mas vale muito a pena pelo preço. Comi bruschettas de entrada, um prato de spaghetti, bebi um mojito, duas cervejas e ainda comi um sorvete de sobremesa e paguei pouco mais de 10,00 CUCs (R$20,00).






El Viejo Amigo
Dragones, 356 entre Manrinque y San Nicolás - Barrio Chino
Restaurante chinês com comida excelente e ótimos preços! Excelente relação custo x benefício! O lugar não é lá muito turístico e é frequentado basicamente por cubanos que tem um melhor poder aquisitivo (sim, eles existem! rs).
Tivemos uma certa dificuldade de achar o restaurante, que foi uma indicação do David dono da casa que ficamos hospedadas no final da viagem, pois estávamos procurando pelo nome, em espanhol, El Viejo Amigo. No entanto, na fachada, o nome está em chinês!!!!!! Então fique atento, a entrada é pequena, apenas uma portinha com uma escadaria pra subir, o restaurante fica no 2º andar. Procure pelo nome Chi Tack Tong que está escrito num letreiro vermelho e se baseie pelo endereço, aí não tem erro! A rua Dragones é uma ds principais do bairro chinês. Tantas explicações de como localizar o lugar é porque ele realmente vale a pena! Foi a melhor refeição que fizemos em Havana!!





Sorveteria Coppelia
Calle 23 com Calle “L”. Vedado
A mais famosa sorveteria da cidade, fica na esquina do hotel Habana Libre. É famosa por ter sido cenário do filme Morango e Chocolate e um dos poucos “luxos” dos cubanos. A sorveteria é enorme, fica no meio de uma praça e o prédio é bonito e todo espelhado, mas turista não pode entrar!!! Nós chegamos à praça e estávamos indo em direção à sorveteria, quanto um policial nos parou e perguntou se estávamos querendo tomar sorvete e nos mostrou um trailer sem graça que fica na lateral da praça. Ficamos ali meio sem entender e ele apontou novamente pro trailer. O prédio bonitão é reservado aos cubanos, pois só vende sorvete em CUP (pesos cubanos), razão das enormes filas que chegam a dobrar o quarteirão. Já para os turistas, os trailers nas esquinas da praça vendem sorvetes em CUCs, ou seja, bem mais caros. O sorvete é gostoso, mas nada de excepcional! E são poucos os sabores disponíveis, geralmente 3, que mudam conforme o dia. De toda forma, vale a visita!




La Bodeguita del Medio
Calle Empedrado, 207. Habana Vieja
Bar histórico que faz parte da boemia cubana. Era frequentado por políticos, escritores, pensadores que se reuniam ali para apreciar um mojito, que ficou ainda mais famoso depois da Heminway
My Mojito in La Boguedita, My Daiquiri in El Floridita


O bar é pequeno e a maioria vai mesmo pra beber um mojito de pé, junto ao balcão, embora tenha várias mesas e um cardápio bem legal para almoço e jantar.
Nas paredes de La Bodeguita há uma grande foto de Fidel Castro com Hemingway e várias outras fotos de personalidades que já passaram por lá, incluindo nosso ex presidente Lula! Além dos quadros de fotos, as paredes também são “decoradas” por uma infinidade de mensagens deixadas por visitantes ilustres ou anônimos. Se tiver uma caneta em mãos não se acanhe de deixar sua marca na parede também! 













           


Nos fundos do bar, há também um restaurante, de 2 andares, que serve almoço e jantar

Olha só quem já deu o ar da graça por lá também..
La Floridita
Calle Obispo, 557. Esquina com Monserrate
Outro lugar boêmio da cidade e que faz parte da rota de Ernest Hemingway. O escritor eternizou o daquiri do La Floridita, assim como fez com o mojito do La Bodeguita, tem até uma estátua dele no bar.





Factoria Plaza Vieja
Calle San Ingnacio esquina com Calle Muralla, Plaza Vieja 
Cervejaria artesanal que produz três tipos de cerveja: clara, escura e preta. Você pode optar por uma caneca de 500 ml ou pela torre de 3 litros. Ótima opção para variar um pouco da Cristal e da Bucanero, as principais cervejas cubanas. Ambiente agradável e com música ao vivo. Ouvimos até “Chica de Ipanema” lá.. rs. Sentar nas mesinhas que ficam na Plaza Vieja e apreciar uma boa música e uma boa cerveja é uma boa desculpa pra dar uma descansada da caminhada pela cidade velha e se refrescar do colorão de Havana.






De dia ou à noite, a Factoria Plaza Vieja é uma pedida certa!


Saiba mais sobre Cuba

8 comentários :

  1. Oi, Rê. Tudo bem?
    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie - Boia Paulista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Natalie, que ótimo!!!
      Fico super honrada, mais uma vez!!
      :-)

      Excluir
  2. Olá, Renata.
    Adorei sua postagem...estou me organizando para ir à Cuba em fevereiro. Anotei suas dicas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo, Marcia!
      Vc vai adorar, Cuba! Boa viagem! :-)

      Excluir
  3. Anônimo13.6.14

    Renata, muito obrigada por seus relatos!
    Viajei para Cuba em fevereiro/2014. Pesquisei bastante, mas não há tanta informação sobre o país pela rede, e o seu site foi o que melhor me muniu.
    Gostaria de acrescentar algumas coisas. Primeiro, que é um país de difícil digestão. Até hoje não tenho uma posição firme sobre tudo o que vivi e vi. Mas é uma experiência incrível e o país inteiro vale a pena ser visitado. Bom, fiz questão de carimbar meu passaporte. Sim, eles o carimbaram! Na saída, finalizaram o atendimento carimbando o papel oficial, mas solicitei o carimbo no passaporte e a funcionária o fez sem questionar (fui aos EUA na sequência, e isso não causa problema!).
    Fiquei em casas particulares durante toda a viagem, e foi a melhor escolha. Cada casa nos garantiu boas surpresas e o contato próximo com os nativos foi das melhores experiências. Todas as casas muito limpas! Meu contato foi com a casacuba (reservascasacuba@hotelxinternet.com), que, pelo que percebi, escolhe as habitações independentemente de nossas preferências (creio que para manter o rodízio entre elas), mas com reserva e acompanhamento profissionais (as próprias casas mantêm o contato entre si e nos ajudam). Inclusive o site me surpreendeu com a rapidez nas respostas, uma vez que o país não possui internet de respeito...
    O único lugar que alerta sobre o golpe dos restaurantes é o 'revivendo'! E é das situações mais chatas que vivenciei, exatamente como relatada aqui. Mas acredito que não trabalhem para os paladares, que têm sempre um promotor apenas para captar clientes, e não agem como a quadrilha em questão. Esses são conhecidos como jineteros e, de fato, abordam como quadrilha (se o primeiro não conseguir levar o turista, passa as informações conseguidas para o próximo, e assim por diante. e tentam, mesmo, almoçar e beber por conta). Caímos nessa, mas não por completo. O restaurante era grande, em um complexo onde funcionam classes de dança e música, o preço era dos mais caros que vimos e a qualidade, das piores.
    Levei sabonetes e chocolates para distribuir, mas não o fiz. A abordagem deles na rua é muito desgastante e esse tipo nos fez criar uma antipatia. Para os anfitriões das casas, sim, vale a pena levar agrados (realmente não têm disponível produtos de qualidade por lá, e um simples sabonete perfumado é um super presente). Para os simpáticos que encontramos sempre também (sim, existem muitos!).
    Guardamos muitas lembranças lindas de pessoas e lugares. Temos muitas indicações, inclusive. Mas creio que 'acompridei' demais, meu objetivo mesmo era te agradecer. elizabethdalves@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Elizabeth, tudo bem?
      Obrigada pelo feedback e por relatar sua experiência lá! :-)
      Realmente viajar pra Cuba é algo complicado, tem que estar preparado e disposto a encarar situações adversas! Mas, no final, tudo acaba virando história pra contar, não é mesmo? Rs

      Excluir
  4. Re, suas impressões são encantadoras! Sou marinheira de primeiríssima viagem no quesito viagem, moro em curitiba e o máximo que fiz na vida foi sair descobrindo o litoral de Santa Catarina, com a sua experiência, quanto em média contando passagens, hospedagem e alimentação você aconselharia ter em reserva para uns 6/7 dias em Cuba? Pretendo ficar em casas dos nativos ao invés de hotéis. Grata desde já por compartilhar sua incrível experiência e dar tantas dicas valiosas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lívia, tudo bem?
      Muito obrigada!!
      Nossa, você foi pedir isso pra pessoa errada!! rs. Eu nunca faço as contas de quanto gastei em uma viagem! Sou péssima pra fazer previsão de gastos (acho que tenho medo de saber a verdade rs).
      Passagem é o item que mais varia, vai depender muito se você vai achar alguma oferta ou da época, não dá muito pra prever não. Hospedagem em casa de família é super barato. E quanto à comida e passeios, eu coloquei alguns valores aqui. Apesar de o dólar agora estar absurdamente mais caro, acho que dá pra você ter uma idéia (1 dólar é mais ou menos 1 CUC).
      Boa sorte e boa viagem! :-)

      Excluir

Comente aqui