RêVivendo Viagens

RêVivendo Viagens

O que fazer em Dublin, além dos pubs

Renata Campos | 11.10.18 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
dicas do que fazer em Dublin


Dublin, a capital da Irlanda, não é exatamente uma cidade bonita, como tantas outras capitais europeias e várias de suas "irmãs" irlandesas, que são uma graça. Nem por isso deixa de ser uma cidade interessante do ponto de vista turístico. 
Continue lendo ►

RêVivendo Fotografias: Palácio Drottningholm, Suécia

Renata Campos | 8.10.18 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
O Palácio de Drottningholm fica nos arredores de Estocolmo e é uma ótima opção pra quem visita a cidade com um pouco mais de tempo, pois será preciso, pelo menos, metade de um dia pra conhecer o local.

Drottningholm  significa "ilha da Rainha". Ele foi um presente pra Rainha Katarina Jagellonika, construído no século XVI, a mando do Rei João III. Mas, alguns anos depois, o castelo foi devastado pelo fogo. Sendo reconstruído logo em seguida, em 1662, e permanecendo assim como o conhecemos hoje.


O Palácio fica na ilha de Lovön, na cidade de Ekerö, a cerca de 10km da capital sueca. Pra chegar lá é possível ir de carro, ônibus de excursão ou de transporte público (pegar um metrô até Brommaplan e, de lá, um ônibus até Drottningholm). Os mais animados também podem ir de bicicleta. Dizem que existe uma ciclovia que sai do centro do Escolmo e chega até lá.

Eu optei por ir de barco. Com certeza, é a maneira mais agradável e com paisagens bacanas. Mas é também a mais cara. Em maio de 2018, o trajeto de ida e volta custava 220 coroas suecas (± €22).  Puxado, né? Mas eu aproveitei pra ir de barco porque ele (e também a entrada no Palácio) estava incluso no Stockholm Pass.

A viagem dura 50 minutos e é bacana, mas não é assim tão imperdível. Se você quiser economizar, pode ir de metrô + ônibus numa boa. Mas se gostou da ideia do barco, saiba que ele funciona apenas de março a outubro e os horários variam de um mês pro outro. Portanto, não deixe de conferir antes no site oficial.


Eu optei por ir de barco. Com certeza, é a maneira mais agradável e com paisagens bacanas. Mas é também a mais cara. Em maio de 2018, o trajeto de ida e volta custava 220 coroas suecas (± €22).  Puxado, né? Mas eu aproveitei pra ir de barco porque ele (e também a entrada no Palácio) estava incluso no Stockholm Pass.

A viagem dura 50 minutos e é bacana, mas não é assim tão imperdível. Se você quiser economizar, pode ir de metrô + ônibus numa boa. Mas se gostou da ideia do barco, saiba que ele funciona apenas de março a outubro e os horários variam de um mês pro outro. Portanto, não deixe de conferir antes no site oficial.

Bom, mas voltando ao palácio em si, desde 1991, ele é um dos Patrimônios Mundiais da UNESCO. E apesar de o Palácio Real (que fica no centro de Estocolmo é é lindíssimo) ser a residência oficial da família real sueca, eles optaram por morar em Drottningholm desde 1981. Mesmo assim, uma parte do Palácio e do jardim é aberto ao público.

A entrada, apenas para o palácio, custa 130 coroas suecas (algo em torno de 13 euros). E, como eu havia comentado antes, também está inclusa no Stockholm Pass. Mas se você quiser fazer a visita completa, o bilhete combinado que inclui também o pavilhão chinês e o teatro (que dizem ser o mais antigo do mundo ainda em funcionamento) custa 290 coroas (€ 29). Os bilhetes também podem ser comprados separadamente nas entradas de cada edifícios. Outra opção é comprar o ingresso antecipadamente pelo site Tiqets, que é parceiro do blog.



Eu acabei conhecendo o palácio mesmo que, a propósito, é lindíssimo! Cada cômodo mais luxuoso que o outro. Eu amei! Principalmente o hall de entrada, que é um escândalo de lindo! Os tetos, as esculturas, as pinturas, tudo maravilhoso!

Não conheci o Pavilhão Chinês porque ele fica um pouco afastado do palácio e alguém comentou que ele estava fechado. Preferi não arriscar caminhar até lá e dar de cara com a porta. Também não consegui visitar o teatro. As visitas são sempre guiadas e com horário marcado. Mas quando cheguei lá, não havia mais vaga no próximo tour teria que esperar muito pelo outro. Deixei pra lá. Aproveitei o tempo livre até a chegada do próximo barco pra passear pelos jardins do palácio que são enormes.

Para mais informações sobre o Palácio Drottningholm, dê uma olhada no site oficial. E se quiser saber mais sobre o Stockholm Pass, é só clicar no link destacado.

*O Stockholm Pass foi uma cortesia do Visit Stockholm.
Independente de qualquer coisa, as informações aqui dadas, são totalmente isentas e referentes à minha própria experiência o com passe. 


RÊVIVENDO FOTOGRAFIAS 
Toda segunda-feira, uma viagem é revivida aqui através de uma fotografia. 
Foto de hoje Palácio Drottningholm. Suécia.

o que fazer em estocolmo suécia
Chegando de barco para visitar o belo Palácio Drottningholm, na Suécia.

Continue lendo ►

Dica de hotel próximo ao Aeroporto de Belo Horizonte, em Confins.

Renata Campos | 27.9.18 | | | | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Hotel aeroporto BH Confins


Procurando hospedagem próximo ao aeroporto de Belo Horizonte, em Confins? O Samba Airport Hotel é uma excelente opção! Moderno, confortável, bem localizado e com transfer gratuito. Eu me hospedei lá e vou contar aqui pra vocês como foi! Confira!
Continue lendo ►

RêVivendo Fotografias: Malahide Castle, na Irlanda

Renata Campos | 24.9.18 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
O Malahide Castle é um dos castelos mais antigos da Irlanda. Ele foi construído em 1185 pela família Talbot, uma das mais influentes do país, e que viveu lá até 1975, quando o castelo foi vendido para o governo irlandês. 

Só é possível conhecer o castelo através de uma visita guiada que acontece todos os dias de hora em hora a partir das 9:30 da manhã, sendo o último horário 16:30 (ou 15:30 de novembro a março). Não é preciso agendar a visita e nem comprar ingresso antecipadamente, mas eu recomendo que você faça, principalmente na alta temporada, por 2 motivos. O 1º é que você pode não conseguir vaga para o próximo tour e precisar esperar mais de 1 ou 2 horas. 



E o 2º motivo é que você pode não conseguir vaga pra NENHUM tour e perder a viagem! Foi o que aconteceu comigo (fui em julho). Cheguei lá pouco antes das 3h da tarde e tanto o tour de 3:30 quanto o de 4:30 já estavam lotados! 😥 Quando eu falo que quem não se programa se dá mal, eu tô falando disso... 

Custava nada eu ter comprado o ingresso pela internet e já chegar lá no horário previsto, né? Mas nãooo... afff! Portanto, não faça como eu, se programe e compre seu ingresso no site oficial do castelo: www.malahidecastleandgardens.ie

Tive que me contentar em apenas ver o castelo por fora e visitar seus jardins, que não têm lá muita graça! Aproveitei o tempo extra pra conhecer também a cidadezinha de Malahide que é uma graça. Se você viajar no verão e der a sorte de pegar um dia lindo de sol e calor, como eu, aproveite pra conhecer também a praia de Malahide. Pode não ser a praia mais linda de todas, mas ainda assim eu curti! 

Pra chegar em Malahide existem 2 opções a partir de Dublin: você pode ir tanto de ônibus (nº 42) ou de trem (que no caso é chamado de Dart). Você vai chegar no centrinho da cidade e de lá até o castelo são uns 10 a 15 minutos caminhando. 


O ingresso custa €12.50 para adultos, €9 para estudantes, €8 para idosos, €6.50 para crianças. Também existem ingressos para famílias e os preços variam de acordo com o número de pessoas. O Malahide Castle é uma das atrações que fazem parte do Dublin Pass, um cartão que você adquire e tem entrada "grátis" em vários atrativos. Falei mais sobre o Dublin Pass no post O que fazer em Dublin, além dos pubs.


RÊVIVENDO FOTOGRAFIAS 
Toda segunda-feira, uma viagem é revivida aqui através de uma fotografia. 
Foto de hojeMalahide Castle. Irlanda. 


Castelo de Malahide em Dublin
O castelo de Malahide não tem lá muita graça por fora. O legal mesmo é visitar seu interior, ver a decoração (que ainda se mantém como original), conhecer a história do lugar e dos fantasmas (!) que lá vivem. 
Continue lendo ►

Como viajar de forma econômica

Renata Campos | 21.9.18 | | | | | | 2 Comentários


Viagens fazem parte dos sonhos de todo e qualquer mortal. Alguns fazem esse sonho acontecer, com maior ou menor frequência, mas fazem. Mas pra muita gente as viagens ficam só no imaginário mesmo. Muitas vezes simplesmente porque acham que é caro, complicado ou trabalhoso demais. Mas não precisa ser assim.

Viajar é muito mais simples e mais barato do que muita gente imagina. Lógico que a gente precisa de dinheiro, né? Mas não exatamente tanto dinheiro como a maioria das pessoas imagina, já falei disso nesse post Como viajar muito sem ser rico.
Continue lendo ►

Como viajar muito sem ser rico

Renata Campos | 9.9.18 | | | | | | 2 Comentários
dicas para viajar muito

Sim, é possível viajar muito sem ser milionário, nem ter pai rico, nem ter ganhado na loteira ou ter que vender um órgão pra conseguir dinheiro. Qual o "segredo" então? Simples! Basta se organizar, economizar e focar nas prioridades!

Eu voltei recentemente de uma viagem de 100 dias pela Europa e o que eu mais ouvi desde então foi: "Nossa, tá rica, hein?" Não, gente! Infelizmente não! Tô beeem longe disso, inclusive!!
Continue lendo ►

RêVivendo Fotografias: Catedral de São Basílio, em Moscou.

Renata Campos | 3.9.18 | | | | | | 1 Comentário
A belíssima Catedral de São Basílio é um dos maiores símbolos de Moscou e de toda a Rússia. Pudera! Ela é maravilhosa! Sem igual! Sério, não existe nada semelhante em todo o mundo!

 Aliás, as igrejas ortodoxas russas são um caso a parte! Cada uma mais espetacular que a outra! Incrível! De deixar qualquer um de queixo caído! Mas a Catedral de São Basílio consegue ser ainda mais espetacular do que todas! 


A catedral foi construída por volta de 1550 e 1560 a mando do czar Ivan, o terrível! Diz a lenda que ele gostou tanto da catedral que mandou cegar o arquiteto responsável pelo projeto pra que ele nunca mais pudesse fazer algo semelhante. Mas isso não é verdade, já que existem outras obras mais recentes assinadas por ele.

A primeira coisa que fiz, assim que cheguei em Moscou, foi correr pra Praça Vermelha, onde a Catedral se encontra. Fiquei hospedada no Hostel Arbat 42, que fica numa área bem legal e dá pra ir caminhando numa boa pra Praça Vermelha. Mas dá pra pegar um metrô também e descer apenas 2 estações depois. Mas, a princípio, eu tinha reservado o Hostel Kremlin Lights. Só que eu precisei alterar as datas e não encontrei vaga nele mais. De toda forma, fica a dica, ele tem uma localização excelente, apesar de ser mais caro que o que eu fiquei.  


Bom, mas eu cheguei na Praça Vermelha e fiquei rodando por lá encantada com tudo. Quando me deparei com a Catedral de São Basílio, parei e fiquei lá um tempão hipnotizada por tamanha beleza. Passei tanto tempo ali observando os detalhes e tirando fotos que, quando eu tentei entrar pra visitar seu interior, ela já estava quase fechando. Achei melhor voltar outro dia pra visitá-la com calma. Mas, infelizmente, eu não consegui fazer isso, apesar de ter ficado 6 dias em Moscou. 😰

O que aconteceu é que, 2 dias depois que eu cheguei, a Praça Vermelha foi fechada e assim ficou até o dia que fui embora. Eu tive a sorte e o azar, de estar na cidade no "Dia da Rússia" (12/06) que é o maior feriado nacional do país e também na abertura da Copa do Mundo de 2018 (14/06). Por causa das comemorações desses 2 eventos, a Praça Vermelha ficou fechada por 4 dias. 

Eu fiquei arrasada de não ter conseguido visitar a Catedral de São Basílio. Só não fiquei pior porque muita gente comentou que o interior não é tão exuberante quanto o exterior. E também porque eu quero voltar.. e aí eu aproveito pra visitá-la com certeza. E logo no 1º dia, pra não correr esse risco novamente. O fato é, Moscou e toda a Rússia, são lugares apaixonantes!


RÊVIVENDO FOTOGRAFIAS 
Toda segunda-feira, uma viagem é revivida aqui através de uma fotografia. 
Foto de hojeCatedral de São Basílio. Moscou. 



o que fazer em Moscou. Rússia
A linda e colorida Catedral de São Basílio, em Moscou.

Continue lendo ►

RêVivendo Fotografias: Muro dos "Eu te Amo" Paris

Renata Campos | 27.8.18 | | | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Dizem por aí que Paris é a cidade dos apaixonados. Teria lugar melhor, então, pra se criar um muro com vários "Eu te amo" escritos em línguas diferentes? Não né?

Essa ideia genial foi do músico e compositor Frederic Baron. Em 1992, ele teve a ideia de sair pedindo pra amigos, e também desconhecidos, escreverem "eu te amo" na sua língua de origem, em um papelzinho colorido. Durante anos ele foi coletando e guardando esses papéis, conseguiu juntar mais de mil "eu te amos" escritos em mais de 300 línguas e dialetos.

Em 1997, ele mostrou sua "coleção" pra caligrafista Claire Kito, que abraçou o projeto. Foi ela que reescreveu todos os "eu te amos" que estão no muro, tentando ser o mais fiel possível à caligrafia original. 


E eis que o resultado final foi um muro enorme de 40 m², feito de mais 600 azulejos com 311 "eu te amos". E, claro, tem em português também. Eu custeeeei a achar! Ele lá no alto, logo na primeira fileira. Ahh e é apenas "te amo"... não tem o "eu" não! hehe

O muro foi construído na praça Jehan Rictus, que fica meio escondidinha ali em Montmartre, um dos meus bairros prediletos de Paris. Pra ficar mais fácil de achar, anota aí: o muro fica perto da estação de metrô Abbesses, na parte mais baixa do bairro. 

Eu fiquei hospedada ali pertinho, no Hostel Vintage. Coisa de menos de 10 minutos de caminhada. Quer dizer, na verdade, fiquei ali só nos 3 últimos dias da viagem, pois não tinha vaga no hostel que eu estava no início da viagem, o ótimo St Chirstopher's Inn Gare du Nord,que também fica ali próximo.

RÊVIVENDO FOTOGRAFIAS 
Toda segunda-feira, uma viagem é revivida aqui através de uma fotografia. 
Foto de hojeMuro dos "eu te amo"


o que fazer em paris
Muro dos "Eu te amo"


Continue lendo ►