16

Cuba além dos cartões postais

Renata Campos | 3.8.12 |



Depois de ter falado da Cuba turística aqui e aqui, resolvi escrever um post sobre o lado B de Cuba. Na verdade, o lado A de Cuba, ou a verdadeira Cuba, a Cuba dos cubanos. Pois a Cuba para os turistas, dos grandes hotéis de luxo, dos cartões postais, é outra bem diferente. E muitos ficam só com essa Cuba.

Apesar de todo mundo poder, e dever, conhecer e vivenciar a Cuba dos cubanos, a “Autêntica Cuba”, como eles mesmos dizem, muitos preferem ficar só com a Cuba turística. As "duas Cubas", apesar de serem mundos opostos, se complementam. Quem tem a oportunidade de conhecer as duas, com certeza, viverá uma experiência única e incrível!



Cuba é um lugar muito curioso e intrigante. Cheguei lá louca pra conhecer o país, suas belezas, sua gente, sua história e descobrir como funciona, na prática, o tal do socialismo!

Mas o que eu vi foi um verdadeiro caos! O socialismo cubano não funciona!! Isso é fato! Aliás, o socialismo (comunismo, “fidelismo”, anti-capitalismo, ou seja lá o que for que aconteça por lá) de Cuba não tem nada a ver com o que eu aprendi na escola!! Aquela coisa toda de igualdade e tal.... Utopia!?!


O que posso dizer é que viajar pra Cuba foi uma verdadeira aula de história, economia, ecologia, cidadania e cultura. Nos 10 dias que passei no país, pude pra conhecer bastante coisa e começar a entender um pouco melhor o país, apesar de todas as dúvidas que voltaram comigo.

O engraçado é que Cuba parece ter parado no tempo, em vários sentidos. Caminhando pelas ruas, andando em meio a prédios grandes e majestosos, cruzando sempre com carros antigos, você se sente num roteiro de filme dos anos 50. E o país parou no tempo também em relação à tecnologia, em Cuba tudo é antigo! Mas também, quem teria dinheiro pra comprar uma televisão de tela plana ou o último modelo de smartphone? E o que alguém faria com um smartphone se nem acesso à internet eles têm? 

Alguém diz que essa foto foi tirada em 2012?

Tenho que confessar que, dessa vez, viajei sem saber muita coisa sobre o destino! Não comprei guias, não tive tempo de pesquisar e fazer meu próprio roteiro como de costume. Eu também não estava muito por dentro da situação social, política e econômica que o país estava enfrentando! Eu sabia o que a grande maioria sabe sobre Cuba, que desde a revolução (em 1959) comandada por Fidel Castro e Che Guevara (o super herói nacional) o país passou a ser socialista e se fechou pro mundo! E que as coisas pioraram bastante com o fim da União Soviética (em 1990), quando Cuba passou a sofrer com a falta de dinheiro e a recessão se instaurou. Os cubanos vivem meio que como prisioneiros em seu próprio teritório pois não tem permissão para sair, salvo raras exceções. Além de tudo, ainda há o embargo econômico dos EUA, que dificulta bastante as coisas por lá. Os dois países vivem em “guerra” até hoje!

Ahh eu sabia também que Fidel não está lá muito bem de saúde e seu irmão, Raul, é quem está no poder atualmente! E descobri lá que, apesar de muitos (geralmente os mais velhos) idolatrarem a família Fidel, os mais jovens não compartilham da mesma opinião. Um casal cubano nos disse que os irmãos Fidel são chamados de “os mafiosos” à boca miúda. Eles, assim como muitos outros que encontramos, sonham com uma grande mudança e a abertura total de Cuba. E foram várias as pessoas que nos disseram que sonham com o dia que poderão viajar livremente pra qualquer lugar do mundo e, inclusive, conhecer o Brasil! Mas há quem prefira que tudo permança como está! 

 

Fui com mil perguntas na cabeça, voltei com outras mil!

As inúmeras conversas que tive com os vários cubanos que encontrei pelo caminho ao invés de sanar minhas dúvidas, me deixaram ainda mais confusa. E assim, ficamos “interrogando” vários cubanos durante toda a viagem pra tentar tirar as dúvidas que foram surgindo a cada conversa diferente.

Por exemplo, algo que sempre me intrigou era a economia deles. Como é a questão dos salários? Queria entender como isso funciona: todo mundo recebe a mesma coisa? Minha cabeça capitalista acreditava que havia uma diferença de salário sim! Caso contrário, porque uma pessoa iria se matar de estudar durante 4, 5, 6 anos na faculdade pra ganhar a mesmíssima coisa que outra que não passou por tudo isso?

Universidade Nacional de Havana
Perguntei isso a várias pessoas, nas 3 cidades que passei. A maioria disse que os salários eram iguais para todos, outros disseram que variava conforme o cargo ocupado.

E eu fico com a versão do nosso anfitrião, o David, um cubano que aluga quartos para turistas em sua casa com intuito de melhor sua renda e onde nos hospedamos, como já contei nesse post. Ele nos disse que os salários variam entre 200 a 1000 CUPs (pesos cubanos), o que equivale, em CUCs (pesos conversíveis, o dinheiro usados pelos turistas) a 8 a 40 CUCs (1 CUC = 1 dólar)!!!!! Ele, que é veterinário, recebe um salário mensal de 600 CUPs = 24 CUCs. Ou seja, independente de quanto a pessoa receba, esse dinheiro não será suficiente!


De toda forma, mesmo com salários diferenciados, a sociedade cubana não apresenta grandes diferenças sociais como a nossa. Todos são funcionários públicos e recebem salários baixos! Desde os que trabalham em hotéis, lixeiros, motoristas de táxi e de ônibus, professores, guias de turismo, garçons, médicos, todos são assalariados do Estado. Como não há mercado para todos, é comum encontrar bacharéis em profissões que não exigem diploma, mas que acabam rendendo mais. Até mesmo as pessoas que alugam quartos ou possuem restaurantes em suas casas (os Paladares) têm que pagar uma taxa ao governo.

Todos os cubanos recebem uma cesta básica mensal que é proporcional ao tamanho da família, mas em geral, ela dura apenas uma semana. Depois disso, eles precisam recorrer a mercados estatais que vendem produtos subsidiados, mas se quiserem mais, terão que comprar em outros lugares pagando em pesos conversíveis - CUC). Os pesos só podem ser gastos em poucas lojas e em mercados públicos que vendem o mínimo do básico e mesmo assim há uma cota! Cada cubano pode comprar apenas 1 pãozinho por dia e para isso ainda é preciso enfrentar filas enormes.

Fila de cubanos na padaria para pegar seu pãozinho diário
As roupas que são vendidas em pesos são usadas e quanto mais usadas, mais baratas. Se quiserem roupas novas, os cubanos têm que comprar em lojas comuns e pagar em CUC (que vale 25 vezes mais que o peso cubano). O mesmo vale para outros produtos industrializados, sapatos e artigos de limpeza, que são artigos de luxo em Cuba.

Para garantir o sustento para o resto do mês, os cubanos precisam fazer bicos. Mas, para ter acesso àquilo que o Estado não dá e que os baixos salários não os permitem comprar, entra em cena o "jeitinho cubano". Tá achando que só brasileiro é que dá um jeitinho em tudo!?

A escassez que o país vem enfrentando, inclusive de comida e produtos de higiene afloraram a criatividade cubana para a criação de pequenos golpes que se multiplicam e se espalham pelas cidades. A malandragem em Cuba é uma questão de sobrevivência! Quase todo cubano (pra não dizer todos) faz negócios por debaixo dos panos pra conseguir sobreviver e ter uma vida mais digna. Os cubanos passam seu tempo livre perambulando pelas ruas em busca de CUCs. A todo momento, turistas são abordados por cubanos com pedidos de sabonetes, papel higiênico, camisetas, sandálias. E esses regalos são uma das fontes de renda alternativas dos cubanos. Há ainda aqueles que se oferecem como "companhia". A prostituição em Cuba não é apenas por dinheiro, é uma tentativa de fuga. Salvo raras exceções, um cubano só pode sair do país se estiver casado com um estrangeiro.


Enfim, Cuba é um país latino e, como tal, tem toda aquela ginga e malemolência que nós, brasileiros, conhecemos bem. Além da incrível capacidade de driblar as dificuldades com o famoso jeitinho brasileiro, digo, cubano. É através do jeitinho, e praticamente só através dele, que os cubanos conseguem ter uma vida um pouco mais digna, sem tantas privações.

A ilegalidade está escancarada, mas todos fingem que não vêem. O comércio ilegal de tabaco, um dos principais itens de exportação do país, é dos mais visíveis. O charuto Cohiba, marca famosa criada pelos revolucionários, é vendido por algumas centenas de CUCs na loja da fábrica, em Havana. Mas em todos os lugares, há um cubano oferecendo a mesma caixa por um valor muitíssimo menor. Eles dizem que há uma cooperativa de trabalhadores das fábricas que conseguem tais charutos mais em conta e os revendem para auxiliar na renda. Mas há quem diga que esses charutos são roubados das fábricas pelos funcionários, para serem revendidos.

Charutos cubanos vendidos nas lojas oficiais
Outro “golpe” comum é algum cubano se oferecer para te levar a algum restaurante mais econômico, os Paladares, que funcionam geralmente junto às casas das pessoas. Chegando lá, eles ficam esperando que você os convide para jantar, ou pelo menos, beber algo. Outros mais cara de pau, se convidam para sentar. Na primeira vez, nós ficamos sem entender o que estava acontecendo e, depois de ficar um bom tempo em pé ao nosso lado, nosso “guia gastronômico” resolveu ir embora atrás de outras “vítimas”. Voltou pouco tempo depois com um casal de alemães do qual conseguiu arrancar um “mojito”.

Vários foram os cubanos que nos ofereceram restaurantes e charutos econômicos pelas ruas. Com certeza, você topará com muitos deles durante a viagem. Aliás, é praticamente impossível andar pelas ruas de Havana sem ser notado! A todo momento, tem um cubano te oferecendo algo, te pedindo algo, te cantando (os cubanos são um dos povos mais “atirados”que já conheci..rs), ou simplesmente te dando um oi, um tchauzinho, um sorriso e perguntando: Where are you from? E abrem um sorriso enorme ao ouvir Brasil como resposta!! O engraçado, é que, dessa vez, antes de falarem sobre futebol, a primeira palavra que todos diziam era: Samba! Os cubanos são muito musicais! Em todos os lugares há música e dança. E todos eles, homens ou mulheres, queriam que nós ensinássemos samba a eles. Tsc.. infelizmente estavam falando com as pessoas erradas! rs


Mas, claro, o futebol era o assunto em seguida – mesmo o esporte nacional de Cuba sendo o beisebol. Mas o futebol brasileiro é o futebol brasileiro, né? “O melhor do mundo”, exclamavam eles! Além da música e do futebol, as novelas brasileiras são uma verdadeira febre em Cuba! Quando fomos, estavam no ar Sinhá Moça, que ganhou o nome de Chica Moça, Passione e outra que esqueci agora.

As conversas com os cubanos foram sempre muito proveitosas, prazerosas e amigáveis. Apesar de a maioria se aproximar querendo tirar algum dinheiro nosso, quando ficava claro que não conseguiriam, eles partiam à procura de novas “vítimas”, mas sempre educadamente. De toda forma, era sempre uma experiência interessante. Apesar de muitas vezes achar que eles nos viam apenas como cifrões ambulantes! Em Cuba, o turista é sempre bem tratado, seja pela simpatia natural dos cubanos, ou porque esse é o caminho mais curto para chegar ao CUC.

Mas mesmo assim é possível fazer “amigos”. Nós pegamos muitas dicas e informações de passeios com os cubanos, e eles sempre nos respondiam prontamente a todas nossas dúvidas e curiosidades que tínhamos sobre o regime cubano. Até ganhamos a tão cobiçada nota de 3 pesos cubanos com o rosto do Che Guevara estampado! 3 pesos não vale nada, é algo como 20 centavos de real, mas ela chega a ser vendida em CUCs aos colecionadores e fãs mais fervorosos de Che.

Uma das famílias cubanas que fiz "amizade" por lá. Nos mostraram muitas coisas, levaram a muitos lugares, contaram muitas histórias, mas no final nos pediram uns regalos. Acabamos dando umas camisetas como "pagamento". 
A disputada nota de 3 pesos cubanos com Che Guevara estampado
A parte boa da história é que todos têm direito à educação e moradia, mesmo que não sejam totalmente gratuitas. Saúde também é pra todos, apesar de nem sempre ser totalmente eficiente. Mas, é possível conseguir vantagens se rolar um dinheirinho por fora. As taxas de criminalidade são praticamente nulas! Não há violência na rua, mas pequenos furtos e golpes diversos são comuns.

E essa cubana pulou o murou da escola numa rapidez assustadora. E ela ainda estava de saia! Profissional!! rs
Sem muita opção, a economia está se abrindo para o capital estrangeiro, o que gerou empregos e atraiu investimentos. Muitos hotéis são mistos, ou seja, metade (na verdade 51%) do Governo cubano e o restante de investidores internacionais, especialmente canadenses, espanhóis e franceses. Isso acabou melhorando a vida especialmente daqueles que trabalham com turismo (pela possibilidade de ganhar em CUC) e causou mudanças profundas na sociedade. Quem tem acesso ao CUC ou ao dólar de parentes que conseguiram sair de Cuba e moram fora, vive melhor que os demais. Com esse dinheiro, eles abriram negócios ligados ao turismo, recebem em CUC e, assim, vão conquistando um padrão de vida que os distancia da grande massa. Está surgindo uma nova classe social em Cuba: a pequena burguesia!!!!

Enfim, as coisas estão mudando e a tendência é que continuem. Agora, onde isso vai parar e como as coisas vão se desenrolar, ninguém sabe ainda! A única coisa certa é que Cuba está em transformação!! E que vale a visita!! 



16 comentários :

  1. Mto bom esse seu blog... dicas valiosissimas p eu que estou tentando formar um roteiro p ir p Cuba. Parabéns!! ah, uma dúvida, tenho que tirar o visto aqui no Brasil ou espero p tirar lá?? não entendi essa questão direito.

    grato e mais uma vez parabéns!!
    João Paulo Oliveira

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, João Paulo!
    Realmente não é muito fácil conseguirmos informações de Cuba.
    Falei a respeito do visto e de outras informações práticas nesse post. Acho que dá pra esclarescer suas dúvidas! http://revivendoviagens.blogspot.com.br/2012/06/guia-pratico-de-cuba.html
    Qualquer outras dúvida, é só falar!

    ResponderExcluir
  3. Brigado mais uma vez!!

    ResponderExcluir
  4. Relato fantástico sobre o outro lado de Cuba. Este foi o primeiro país do continente Americano que visitei marcou-me muito, foi uma experiência intensa que nunca mais na vida me vou esquecer. Meus pais tem amigos cubanos que vivem em Lisboa e este país sempre morou na minha imaginação. Tal como você fui com algumas dúvidas e muita curiosidade e voltei com outras tantas mas muito mais rico em termos culturais e pessoais. Teve coisas que me marcaram muito como tentando sempre algum dinheiro dos turistas mas o outro lado do sorriso, da amabilidade superam esses pequenas problemas. Uma dúvida ainda hoje me assola: mais dia menos dia Cuba tem de se abrir ao mundo e perder o seu estado social, certamente trará muitas coisas mas eu cá bem no fundo penso que vai ser a morte da identidade cubana e se antes havia pouco (muito pouco) para muitos, vai passar a haver muito para muito poucos e nada para todos. Esse é meu medo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Luffi! Cuba é um país encantador e intrigante. Um mundo à parte, né?
      E eu tb fico pensando em como será essa abertura de Cuba pro mundo, que mais cedo ou mais tarde vai acontecer. Também tenho receio do que possa acontecer, maaaas... faz parte! rs

      Excluir
  5. Cuba não se fechou, como você diz, ela foi embargada e está em guerra com o maior país imperialista que está a poucos quilômetros de distância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo Levy, muito importante a sua colocação, mas infelizmente são poucos que tem este discernimento.

      Excluir
  6. Ei Levy, tudo bem?
    Desculpe se não me fiz entender, mas quando eu disse que Cuba "se fechou" foi apenas uma forma de falar, em momento algum eu quis dizer que foi por vontade própria!! Também porque no parágrafo anterior eu já havia falado exatamente sobre o que você comentou. Dá uma olhada no que eu escrevi:

    "Além de tudo, ainda há o embargo econômico dos EUA, que dificulta bastante as coisas por lá. Os dois países vivem em “guerra” até hoje!"

    De toda forma, valeu pela observação!! ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renata, parabéns pelo blog. Queria apenas fazer uma observação: 20 centavos para nós brasileiros é muito pouco, mas o Cubano pode com os 3 pesos comprar um livro. Curioso, né?

      Excluir
  7. Gostei muito de saber mais sobre esse país que pouca gente "da a cara" pra conhecer antes de julgar. O que acontece é que Cuba é um país livre do consumismo do resto do mundo. O que eles pensam é que não se pode viver para comprar. Nós somos livres no mundo capitalista, mas nossa liberdade se resume a comprar o que se quer, na quantidade que se quer, e somos escrtavos disso. Vivemos para trabalhar, ganhar mais dinheiro e comprar mais. O ideal deles é contra isso. Quem precisa de mais de um pão por dia? O que todos precisam, moradia, estudo, saúde e paz (pouca violência) eles tem lá, e nós não temos aqui. Tomara que um dia eles consigam crescer como país e dar um pouco mais de conforto pro seu povo. Pretendo conhecer Cuba em breve!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para entender o que vc disse é necessário possuir uma visão humanista. Nem tudo esta perdido. Parabéns.

      Excluir
  8. Seu blog é mesmo excelente e as dicas sobre Cuba geniais. Estou na fase de pesquisas para o planejamento de minha viagem ao país de Fidel.

    Mas como fumador de charutos preciso fazer uma correção no post. Para cada 3 charutos cubanos 2 são falsos. Os bons charutos cubanos das marcas principais: Cohiba, Partagas, Romeo Y Julieta dentre outras não são baratos, nem em Cuba.

    A dica é comprar nas lojas oficiais da estatal cubana dos charutos, a Habanos SA. As lojas ficam nos melhores hotéis e se chamam "La Casa Del Habano".

    Charutos comprados fora dessas 6 ou 7 lojas em Havana são falsos.

    Obrigado por compartilhar suas experiências cubanas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Allysson,
      Os charutos verdadeiros não são nada baratos mesmo! E, até por isso, existe muita falsificação, né? Mas quem realmente gosta e entende de charuto como você, deve ficar atento e se precaver pra não cair em nenhuma furada! ;-)

      Excluir
  9. Renata, como vc conhece os dois lados de Cuba, vc tem informação se os Cubanos tem eleição? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Luis, tudo bem?
      Primeiramente, eu não conheço os 2 lados de Cuba (se é que ela tem só 2 rs). O que sei sobre Cuba é o pouco que aparece na mídia e o que conversei com as pessoas que moram lá, quando estive no país. Numa dessas conversas, o dono da casa onde me hospedei disse que existe sim eleição mas só existe um partido em Cuba. Ou seja, você vai eleger apenas o nome da pessoa que estará no poder já que todos os canditos geralmente pensam da mesma maneira. E as eleições lá não são obrigatórias como no Brasil, vota quem quer!
      Enfim, o pouco que sei é isso! ;-)

      Excluir
  10. Renata, obrigado pelo retorno.
    Fiz a pergunta pq duvidava, mas ao pesquisar fiquei sabendo que eles nao são obrigados a concorrer pelo partido comunista e que tem pessoas eleitas que não pertencem ao partido dos barbudos. e vc tem razão, eles não são obrigados a votar e mesmo assim 92% da população comparece. Obrigado e continue sempre com este "espírito socialista" rs

    ResponderExcluir

Comente aqui